Nos acompanhe através das redes socias

Boletim Informativo

Para manter-se atualizado, cadastre seu e-mail e receba os nossos informativos periódicos!

10 de Janeiro de 2014

“Casamento” homossexual proibido na Austrália

Autor: Paulo Roberto Campos

 

Enquanto no Brasil parlamentares pleiteiam a legalização do pseudo-casamento homossexual, no dia 5 último, por unanimidade, o Supremo Tribunal de Justiça da Austrália derrubou a lei que permitia o “matrimônio” de duplas do mesmo sexo no território da capital federal.
 
Segundo notícia do portal “LifeSiteNews”, o STJ australiano decidiu que a lei não está em conformidade com a legislação federal sobre casamento, emendada em 2004, que define o matrimônio como a união entre um homem e uma mulher.
 
O comunicado oficial daquele Supremo Tribunal registra: “A lei do casamento não admite a formação ou reconhecimento de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. A lei prevê que o casamento seja celebrado na Austrália somente entre um homem e uma mulher”. 
  
Auspiciosa notícia para a instituição da Família! Seria melhor ainda se o STJ da Austrália declarasse que não apenas as leis estabelecidas no país proíbem tal tipo de união homossexual, mas que, acima de tudo, as leis do "Supremo Tribunal de Deus" condenam essa união espúria. Mas isto seria esperar demais numa época neopagã como a de nossos dias... 
 
Na Índia, a prática homossexual volta a ser crime
 
Neste sentido, outra boa notícia em prol da família: Na Índia, uma decisão judicial de 2009 havia descriminalizado a prática homossexual. Entretanto, no dia 4 último, a Suprema Corte reverteu tal decisão, pois “apenas o Parlamento indiano poderia modificar a lei para retirar um trecho do código penal que data do século XIX”. (Cfr. “O Estado de S. Paulo”, 11-12-13).
 
Registra ainda a mesma notícia: “A seção 377 do código penal indiano proíbe ‘sexo contra a ordem da natureza'".
 
Assim, a ordem natural das coisas foi restabelecida na Índia, e quem praticar o homossexualismo — ato contrário à ordem da natureza — poderá ser punido pela lei.
  
(*) Paulo Roberto Campos é jornalista e colaborador da ABIM.
 

 

Confira Também