Logo Arpen BR Horizontal

Ouvidoria

Home / Comunicação

Notícias

Clipping – A Crítica – Mortes em janeiro no Amazonas cresceram 268% em relação ao mesmo mês de 2020

Dados do Portal da Transparência de Registro Civil mostram, ainda, que os óbitos ocorridos no primeiro mês deste ano representam 22% do total de mortes do ano passado inteiro

O Amazonas registrou, somente no mês de janeiro deste ano, 4239 mortes, de acordo com os dados do Portal da Transparência do Registro Civil. O número é 268,93% maior do que o registrado no mesmo mês de 2020, quando foram registradas 1149 falecimentos.

Um outro sinal do quão janeiro foi devastador para as famílias amazonenses é que o total de óbitos registrados somente em um mês representou 22% do total de falecimentos computados ao longo de todo o ano de 2020, com nove meses de uma pandemia por Covid-19. Nos 12 meses do ano anterior, foram 18.665 vidas perdidas no Estado.  Para que se tenha uma dimensão, se o ritmo de mortes de janeiro se mantiver nos próximos meses, levaríamos menos de cinco meses para igualar o número de óbitos de todo o ano passado.

Do total de mortes registradas em janeiro deste ano, 52% delas – 2229 em números absolutos – tiveram a Covid-19 como causa registrada no atestado de óbito. No entanto, houve mais 682 mortes por causas que possuem relação direta com o coronavírus: foram 300 mortes por pneumonia e 382 por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), tipo de doença na qual a Covid se encaixa.

Os números destas duas causas chamam atenção ao serem comparadas com as mortes do mesmo mês em 2020: as mortes por pneumonia saltaram de 153 para 300; e os óbitos atribuídos a SRAG, que foram somente quatro no mesmo mês do ano passado, foram a 382 em janeiro de 2021.

Ranking

Conforme os dados de Registro Civil, a Covid-19, logicamente, foi a principal causa de mortes em janeiro de 2021, seguida pelos óbitos por SRAG e Pneumonia.  A quarta principal causa foram os Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC), que mataram 180 pessoas. Problemas cardiovasculares inespecíficos foram responsáveis por 130 óbitos e a septicemia – uma infeccção generalizada comum em pacientes que passam por longos períodos de internação hospitalar –  causou 117 óbitos.