Logo Arpen BR Horizontal

Ouvidoria

Home / Comunicação

Notícias

Clipping – G1 – São José dos Campos teve ano mais mortal da história, diz pesquisa

Cidade registrou 4,9 mil mortes nos 12 meses, segundo a associação de cartórios. O número é o maior já registrado desde o início dos índice, em 2003.

São José dos Campos teve o ano mais mortal dos últimos 17 anos em 2020, segundo a associação de cartórios. Segundo os dados, foram 4,9 mil mortes nos 12 meses, o maior número já registrado e a maior alta com relação ao ano anterior – 14%. O número é reflexo da pandeia da Covid-19.

Os números são de um balanço da associação de cartórios de registro civil que desde 2003 fazem o relatório anual de óbitos. Desde o início da divulgação das estatísticas nunca morreram tantos moradores do município em um só ano, e nunca houve uma variação tão alta entre um ano e outro como o visto em 2020.

A estatística ainda mostra o aumento no número de mortes em casa por insuficiência respiratória em São José dos Campos, 375% a mais que em 2019. Passando de oito para 38 mortes.

De acordo com a prefeitura, de janeiro a dezembro de 2020 foram 551 vidas ceifadas pela Covid-19, além de 14 óbitos em investigação de pessoas que estavam com a suspeita da doença.

Luto

Os indicadores refletem a realidade de luto de centenas de famílias que perderam seus familiares. Claudemir Aparecido Flores Lourenço e Adalberto Flores Lourenço estão entre os números. Os irmãos adoeceram em dezembro e morreram com 24 horas de diferença deixando os pais e filhos de forma precoce, aos 55 e 51 anos.

Karoline, filha de Claudemir, fala sobre a dificuldade de lidar com a morte por Covid-19, com partidas abruptas e sem despedida. “Ele saiu de casa consciente para o hospital, conversando, nos abraçamos e depois daquilo não tive mais a chance de ver ou tocar para dar qualquer alívio. Depois da morte, eu só pude vê-lo para reconhecimento, sem toque. E sem qualquer chance da família se despedir”, conta.

A família havia recebido a notícia da morte do tio, de 51 anos. Os dois trabalhavam em uma oficina mecânica, onde a família acredita terem adoecido. Os pais, de 77 anos, moravam com Claudemir e também tiveram a Covid-19. A mãe foi hospitalizada no início do ano e segue entubada até esta sexta-feira (22).

Claudemir era divorciado, mas tinha a guarda das filhas gêmeas de 22 anos, que cuidou desse a infância. Karoline conta que ele sempre foi um pai presente e amigo.

Donizete Antunes dos Santos, 64 anos, também é parte das estatísticas. Ele morreu em maio depois de 14 dias internado sem contato com a família. Deixou a esposa, dois filhos e os netos. Oito meses depois da morte, a viúva Sônia Aparecida conta que ainda sente como se ele pudesse voltar.

Donizete era metalúrgico e o suporte financeiro da casa. Sem ele, Sônia ainda tenta se adaptar a nova realidade. “Eu o perdi, perdi os nossos sonhos e tudo que a gente construía”.

Avanço das mortes por Covid-19

São José dos Campos é a cidade com maior número de mortes por Covid-19 na região. Em 2020, foram 551 mortes.

Os dados da prefeitura mostram que o número de mortes começou a avançar em julho, quando saltou de 93 óbitos para 204. A partir disso, seguiu em alta com mais que o dobro de mortes em dois meses, chegando a 435 mortes em setembro.

Com os óbitos registrados no início de 2021, segundo a gestão, até esta sexta-feira (22), data do boletim mais recente até a publicação da reportagem, eram 663 pessoas mortas por Covid-19.