Logo Arpen BR Horizontal

Ouvidoria

Home / Comunicação

Notícias

CNN Brasil – Rio de Janeiro teve quase 40% mais mortes durante um ano de pandemia de Covid-19

O Rio de Janeiro teve, de março de 2020 a fevereiro de 2021, mais de 177 mil mortes — um aumento de 39,9% em relação à média e o maior número desde o início da série histórica, em 2003.

Nesse ano de pandemia, foram registrados 177.165 óbitos — 50.536 a mais do que a média nos mesmos períodos em 17 anos. Em relação ao ano anterior, o aumento foi de 21,3%.

Leia mais

Depois da primeira dose, mortes de idosos com mais de 90 anos caem 34% no Rio

Em um mês, solicitação por leitos de UTI para Covid-19 dobrou no Rio de Janeiro

O saldo de erros e aprendizados de um ano de pandemia

Os números são do Portal da Transparência do Registro Civil, plataforma de dados que mostra nascimentos, casamentos e mortes registrados em cartórios de Registro Civil brasileiros.

O estado teve um aumento mais drástico que o país como um todo. Nacionalmente, foram contabilizadas 1.498.910 mortes, número 31% maior do que a média histórica. Em relação ao ano anterior, o crescimento foi de 13,7%.

De acordo com o Ministério da Saúde, até esta segunda-feira (15), o Rio de Janeiro confirmou 34.330 mortes por Covid-19, o segundo maior total entre os estados brasileiros, atrás somente de São Paulo.

Fevereiro mais mortal da série histórica

Com o agravamento da pandemia, o Rio também teve o mês de fevereiro com o maior número de mortes da série histórica do estado. Foram registradas 12.467 mortes, quase 3.000 a mais que a média para o mesmo mês desde 2003.

Na comparação com fevereiro do ano passado, o crescimento foi de 10,8%.

A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Rio de Janeiro (Arpen/RJ), que representa a classe dos Oficiais do Registro Civil, diz que o número de mortes registradas nesses primeiros meses de 2021 pode aumentar ainda, já que pode haver um intervalo de 15 dias entre as mortes e o lançamento do registro no Portal da Transparência.

(*Com informações de Maria Mazzei, da CNN no Rio de Janeiro)

Fonte: CNN