Logo Arpen BR Horizontal

Ouvidoria

Home / Comunicação

Notícias

Mediação e conciliação são caminhos para enfrentar a dissolução familiar

Virgínia Marques entendeu que poderia fazer algo para dar uma resposta concreta para o problema. Os cursos na área de mediação e conciliação, realizados tanto no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), quanto na Escola da Magistratura do Rio Grande do Norte (ESMARN), assim como o mestrado com um módulo inteiro sobre resolução alternativa de conflitos, garantiram a ela a experiência necessária para o desenvolvimento dos projetos, com ênfase na experiência argentina no campo da mediação. Virgínia acredita que a sua formação acumulada ao longo do tempo a autorizou a fazer algo a mais pela instituição e pela população.

“Eu trago para a realidade o que elas estão vivendo, quanto tempo estão litigando, quanto tempo elas estão perdendo de viver e o que realmente vale a pena na vida, ficar presa numa relação que não vale mais a pena, que só resultou em sequelas e danos. A reação natural é as partes se emocionarem”.

“O resultado é muito gratificante. É um tipo de desnudar da alma. Eu estou muito satisfeita com o resultando porque a resolutividade está sendo de 100%. O mais curioso, além das partes se emocionarem, é que alguns inicialmente ficam sem acreditar que alguém conseguiu identificar certas características individuais que emocionam a pessoa, que se identifica com aquilo.”

Outra vantagem apontada pela magistrada é que os projetos evitam futuras lides conexas, porque na área de família as mesmas partes ingressam com ações de divórcio, revisão de alimentos, discussão de guarda, execução de alimentos, etc.

“Se você trata a relação que foi mal sucedida, em uma única audiência as partes vão ter condições de tratar esses outros aspectos, ou seja, concentrar em uma audiência só toda a questão relacionada aos filhos, à guarda, ao direito de visita, fazer uma fixação de alimentos que se aproxime da realidade que cada parte precisa, olhando o trinômio capacidade, necessidade e proporcionalidade com base em dados reais. Então esse é um elemento facilitador”, comenta Virgínia Marques.

A magistrada utiliza literatura de autoajuda, músicas, poemas. “Essa linguagem sai do jurídico e fica mais acessível para as pessoas, e isso aproxima o juiz da parte, quebra a rigidez, aquele distanciamento. O público-alvo é um público carente, hipossuficiente. Então esse universo da terapia, tanto individual, quando da de família, é difícil para eles. Na hora em que o juiz tem essa preocupação, essa sensibilidade de ver esses aspectos, a parte fica mais aberta, ela rompe essas amarras e fica mais fácil se fazer essa abordagem”, afirma a magistrada.