Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/arpenbrasil/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/arpenbrasil/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/arpenbrasil/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/arpenbrasil/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36
Nasce Pierre, bebê de trisal de SP; pais planejam registro com 3 sobrenomes - Arpen Brasil - Saiba Mais
Logo Arpen BR Horizontal

Ouvidoria

Home / Comunicação

Notícias

Nasce Pierre, bebê de trisal de SP; pais planejam registro com 3 sobrenomes


Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/arpenbrasil/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

No último sábado (16), nasceu Pierre, bebê do trisal formado pela assistente social Regiane Gabarra, a dona de casa Priscila Machado Correa de Mira e o gerente financeiro Marcel Mira. Com 3 quilos e 50 centímetros, fruto de uma fertilização in vitro, Pierre deve ser registrado pelos pais com o sobrenome dos três. 

 

A família, que teve sua história contada por Universa quando a assistente social estava na metade da gestação, conseguiu uma autorização do hospital, Santa Casa de Bragança Paulista, para que o parto tivesse mais de um acompanhante —Marcel e Priscila estiveram ao lado da companheira durante a cesárea. 

 

Regiane e o bebê passam bem. O trio, que mora em Bragança Paulista, no interior de São Paulo, planeja entrar na Justiça para que Pierre tenha o sobrenome dos três na certidão de nascimento: pela lei, não é possível fazer o registro inicial com a paternidade tripla, mas uma terceira pessoa pode ser acrescentada no registro a partir do reconhecimento de uma maternidade socioafetiva. 

 

A história  

 

Regiane, Priscila e Marcel começaram a se relacionar a partir de uma amizade. Priscila e Marcel estavam juntos havia quase 20 anos quando a dona de casa conheceu Regiane no trabalho. A Universa, Regiane, que fazia parte da Congregação Cristã do Brasil, igreja pentecostal, contou que o trio manteve por um ano uma amizade, até que ela se apaixonou pela atual companheira. 

 

“Depois de um ano de amizade, comecei a perceber um sentimento por ela. Nunca tinha sentido vontade de beijar nenhuma das minhas amigas e me questionava por que com ela era diferente. Não falava nada para ninguém, orei muito, porque, pela minha criação religiosa, aquilo era coisa do capeta. Pedia uma resposta para Deus e não vinha.” 

 

Ela, então, resolveu dividir o sentimento com Marcel, com quem já tem duas filhas. A descoberta da configuração poliamorosa fortaleceu ainda mais a vontade de eles formarem um trisal. Regiane, que cuida do irmão mais novo, levou a eles o desejo de engravidar e, apesar de Marcel ter feito uma vasectomia anteriormente, foi possível coletar os espermatozoides dele e a fertilização in vitro foi realizada.  

 

O dia a dia em família é compartilhado em um perfil no Instagram (@trisalamoraocubo), seguido hoje por mais de 38 mil pessoas. Na conta, o trisal dividiu com os seguidores a expectativa para a chegada de Pierre, mostrando, por exemplo, o momento de revelação do sexo biológico da cria. 

 

Dias antes do parto, Universa conversou com Regiane sobre como mulheres, por vezes, são invisibilizadas quando fazem parte de um relacionamento a três em que há duas mulheres e um homem. “A sociedade é machista e acabamos lendo comentários de que ele é quem tem duas companheiras, questionam como nós, mulheres, nos submetemos a isso. Primeiro, fomos eu e Pri que nos apaixonamos. Depois é que me apaixonei pelo Marcel. Só que colocam o homem como se ele fosse o centro de tudo, o que não tem nada a ver”, contou. 

 

Fonte: Portal UOL