Logo Arpen BR Horizontal

Ouvidoria

Home / Comunicação

Notícias

Número de mortes no Brasil ainda supera patamar pré-pandemia

Até outubro deste ano, o índice de óbitos foi 12,7% maior do que o observado no mesmo período de 2019. Entre os motivos estão doenças relacionadas à sequelas da covid-19 e crescimento diferenciado de óbitos por pneumonia

 

A quantidade de óbitos no país segue acima do patamar pré-covid. Um cruzamento de dados entre o Portal de Transparência do Registro Civil, administrado pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) evidenciou, nesta quinta-feira (17/11), que o número está cerca de 14% maior que os primeiros 10 meses de 2019.

 

Entre janeiro e outubro deste ano foram registrados 1.241.779 de óbitos nos cartórios brasileiros. Uma das justificativas para a manutenção dos altos índices é que o país está passando pelos impactos posteriores ao coronavírus. Isso porque foi observado um aumento de mortes por doenças que são sequelas da covid.

Com um aumento de 0,85% entre janeiro e outubro de 2022, os números de casos de pneumonia passaram de 126.861 para 169.445 no mesmo período. Se comparado ao ano passado, o número fica 33,5% maior que o registrado naquele período.

 

Entre janeiro e outubro de 2022, a quantidade de mortes por covid-19 teve queda de 97,5% em relação ao ano passado — foram 495.761 frente a 59.456 neste ano. Por outro lado, doenças, como: pneumonia, doenças do coração — AVC ou infarto —, septicemia — alta resposta do organismo que gera uma infecção generalizada no sangue, normalmente de bactérias — e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) tiveram crescimento diferenciado.

 

“Os números dos Cartórios de Registro Civil mostram mais uma vez, em tempo quase que real, o retrato fidedigno do que acontece com a população brasileira. Embora haja uma diminuição nos óbitos por Covid-19, notamos crescimento de óbitos de outras doenças, como a pneumonia, doenças do coração e septicemia, que podem vir a ser consequências de sequelas da Covid. A partir desses dados, é possível pensar em políticas de saúde pública e prevenção a essas doenças”, alertou Gustavo Renato Fiscarelli, presidente da Arpen-Brasil.

 

Enfraquecimento pela covid

 

O aumento de mortes por septicemia passou de 131.289 para 147.327 em um ano, o que significou um aumento de 12,2%. As duas doenças são consideradas sequelas do enfraquecimento do organismo causado pela covid-19. Entre janeiro e outubro deste ano, ainda, houve o crescimento de mortes por AVC, em 3,8%, e por infarto, em 2%. As enfermidades também estão relacionadas ao coronavírus.

 

Importante destacar que a SRAG, uma das principais causadoras de mortes a quem tratava a covid-19, continua em alta. Apesar do crescimento desproporcional da doença nos picos da pandemia (408%) e da queda vertiginosa que ocorreu, na comparação entre os 10 primeiros meses do ano passado, foram contabilizadas 6.596 mortes frente aos 1.298 registros feitos em 2019, no mesmo período.

 

Fonte: Correio Braziliense